300

Há alguns dias, assisti ao filme “300”, uma adaptação da graphic novel de Frank Miller. O filme é bem legal, com efeitos especiais espetaculares e batalhas teatrais, apesar das cenas sanguinolentas demais da conta das batalhas e de alguns erros históricos (por exemplo, Xerxes não colecionava piercings… e os gregos não batalhavam com o peito descoberto, são um pouco mais espertos, usavam armaduras peitorais).

De qualquer forma, recomendo assistirem ao filme. É bem melhor do que alguns “épicos” que apareceram por aí, como Tróia, Alexandre e Cruzadas (Jesus Cristo, o que é isso? Dá sono pacas… zzzz).

O filme recriou de forma interessante a HQ, dá para se sentir o “clima de HQ”, que também li. Essa nova edição de HQ em português deve ser interessante, a história é contada em “widescreen”, com quadros na vertical (eu acho, não me recordo…). A HQ que li era de uma edição antiga, e os desenhos são bem-feitos e expressam bem a atmosfera da batalha. Para quem curte HQs é uma aquisição bem-vinda.

Se olhar pelo lado da ideologia, eu percebi que a visão de Miller é bem simplista: para resolver qualquer problema, é na base da porrada. É uma visão meio simplista, mas que não tira o gosto da leitura da HQ. Não posso opinar muito sobre ele, já que não conheço toda a obra dele, mas é essa a impressão que me passou. O filme e a HQ está cheia de testoterona descarregada nos outros.

Indo para o contexto histórico, a batalha de Termópilas teve grande importância histórica, pois graças a ela pudemos ter até os dias atuais a herança dos gregos no nosso mundo atual. Se não fosse por ela, talvez o mundo seria um pouco diferente do que é hoje. Vários “se acontecesse isso” poderiam alterar drasticamente os rumos da história…

Um bom resumo sobre o filme e a história real pode ser visto aqui.
Post divertido sobre 300: Desconstruindo a história
Fontes recomendadas: Revista Grandes Guerras, edição 16, março 2007 e a SUPER de março 2007.

Anúncios

Sobre giseli

Eu: Engenheira, sedenta por bits e chocólatra assumida. Além de ser fã de IAs, principalmente Wintermute e HAL9000
Esse post foi publicado em Cinema, História. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s