Um livro light sobre a conjectura de Goldbach

Às vezes os problemas mais complexos da matemática se escondem em enunciados absurdamente simples. Veja esse, por exemplo:

“Todo número par maior ou igual a 4 pode ser representado como a soma de dois números primos”

Bem simples, né? É a chamada conjectura de Goldbach, mencionada pela primeira vez pelo prussiano Christian Goldbach numa carta a Euler.
O número 6 pode ser representado pelo resultado de 3 + 3, que são números primos. O número 8 pode ser obtido por 5 + 3. E assim por diante. Mas ficar testando para todo par ad infinitum não é condição suficiente para uma demonstração, ou seja, para uma conjectura virar um teorema.
O problema espinhoso é justamente esse, provar que essa propriedade é válida para todo número par. Até agora ninguém conseguiu provar… e li um livro bacana que conta a saga de um matemático grego para provar essa conjectura mas acaba fracassando.

O livro é de ficção matemática (se bem que por alguns momentos cheguei a pensar que se tratava de uma biografia verdadeira), se chama “Tio Petros e a Conjectura de Goldbach”. A trama é bem contada e envolve vários personagens históricos da matemática como G. H. Hardy, Turing, Ramanujan e Gödel.

O autor do livro, Apostolos Doxiadis (sempre estranhei esses nomes gregos) levanta um ponto interessante, de que grandes matemáticos, quando chegam aos píncaros da verdade matemática, meio que pagam com a sanidade mental ou até mesmo a vida em troca de ter vislumbrado a grande Verdade Matemática. É verdade que a história  já rendeu algumas tragédias e loucuras. Como a do matemático francês Alexander Grothendieck que, ao chegar ao auge de sua carreira, simplesmente desapareceu e até agora ninguém sabe seu paradeiro, se bem que há boatos de que vive isolado nos Pireneus franceses e reclama que o diabo o persegue.
Ou de Gödel, que ficou bem paranoico ao final de sua vida e acabou por morrer de inanição, recusando-se a comer qualquer coisa, achando que iam envenená-lo. Isso para citar apenas dois exemplos.
Mas não é uma regra… vide Gauss e Euler que foram matemáticos de talento formidável e viveram bastante tempo e com excelente sanidade mental. E o Andrew Wiles, que provou o teorema de Fermat, está bem lúcido até agora.

A história contada no livro também é interessante para contar as dificuldades de uma carreira dedicada à matemática e seus desafios e perigos, além de perceber porque os números primos tanto fascinam os matemáticos (e a mim também).

Anúncios

Sobre giseli

Eu: Engenheira, sedenta por bits e chocólatra assumida. Além de ser fã de IAs, principalmente Wintermute e HAL9000
Esse post foi publicado em Livros, Matemática e marcado , . Guardar link permanente.

7 respostas para Um livro light sobre a conjectura de Goldbach

  1. Romeu Martins disse:

    >>O número 6 pode ser representado pelo resultado de 2 + 3

    Tem certeza? 😉

  2. giseli disse:

    Putz, Romeu, que mancada! rs Valeu pelo toque, já corrigi, graças a você 😀
    Mas que vergonha 😛

  3. Romeu Martins disse:

    Que fique registrado: consegui corrigir a Gi em uma equação matemática! Vou pôr isso no meu Lattes! 😀

    Beijão

  4. giseli disse:

    Romeu, é só uma soma, nem é equação matemática =P

  5. Pingback: CyberGi » Lista de leituras de 2009

  6. Pedro disse:

    Precisa ser inteiro?É todo numero par ou, impar também (9=7+2) ?

    Obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s