Paradigmas 3

Tem uma série de coletâneas chamada de Paradigmas, com volumes lançados regularmente pela editora Tarja. Já está no terceiro volume e vou falar justamente dele. A essa altura, não vou falar dos anteriores (claro que são bons), fiquei com preguiça, mas para quem quiser ler sobre eles, deixo aqui dois links com breves comentários da Cris Lasaitis aqui (vol 1) e aqui (vol 2). Aproveita para ler as outras resenhas e os posts, afinal, a guria escreve bem! =D

Vou comentar rapidinho sobre cada um dos 13 contos:

Baby Beef, Baby! – Richard Diegues – Conto com um ritmo alucinado e bem no espírito cyberpunk (à brasileira). Mas acho que acelerou tanto em alguns trechos que perdi até o fio da meada. Mesmo assim, é bem interessante o universo cyberpunk construído por ele.

O Mito da Fecundação – Ludimila Hashimoto – Ponto de vista sobre a reprodução um tanto “exótico”, por assim dizer. Bem bacana de se ler, espero ver mais coisas escritas pela autora.

Reminiscências de um Mundo Verde – Ronaldo Luiz Souza – Visão saudosista dos tempos em que ainda dava para desfrutar de um jardim ao ar livre. Gostei do recado vindo do amanhã.

O Animal Morto – Saulo Sisnando – Conto de suspense e terror, só lendo mesmo até o fim para saber o que acontece e ficar especulando sobre o que acontecerá.

Lamentações de Jeremias – Lúcio Manfredi – Conto bem inusitado sobre crítica, com um crítico alienígena de personagem da trama. Admito que achei o final ligeiramente confuso.

Esperança Corrompida – Leandro Reis – Apesar de eu ter achado um pouco óbvio como as coisas iam acabar, mesmo assim, achei bacana o conto sobre um cavaleiro perdido numa vila amaldiçoada.

Em Berço Esplêndido – Camila Fernandes – Mistura interessante de “causos” do interior com ficção científica. Só senti falta de uns trechos mais desenvolvidos no decorrer da trama, a história prometia. Mesmo assim, achei o conto bem bacana e diferente do que a autora costuma escrever.

Choque de Civilizações – Marcelo Jacinto Ribeiro – Realmente há situações em que dois pontos de vista são completamente diferentes. Gostei de ver que a transição entre dois mundos diferentes leva a visões díspares.

Hatzemberger – Davi M. Gonzales – Um conto interessante da série de coisas fora do nosso entendimento comum.

O Cavaleiro e o Senhor do Inverno – Gianpaolo Celli – Mesmo que tenha usado alguns elementos típicos que são clichês em algumas histórias, o autor soube contar bem a estória e ainda dá um desfecho interessante.

Velha Remington – Wolmyr Alcantara – Outro conto bacana da série de coisas fora do senso comum.

De Vento e Pedra – Viviane Yamabuchi – Interessante ver em forma de conto de fadas (não tão conto de fadas assim) a analogia com um relacionamento conturbado.

O Homem Bicorpóreo – Hugo Vera – Uma homenagem bacana a Isaac Asimov, que escreveu O Homem Bicentenário. A trama é bem interessante e bem que podia ser expandida mais um pouco.

Gostei da maioria dos contos e a apresentação da capa segue impecável como nas edições anteriores. Pode ser adquirida aqui.

Espero que continuem com a quebra de paradigmas!

Anúncios

Sobre giseli

Eu: Engenheira, sedenta por bits e chocólatra assumida. Além de ser fã de IAs, principalmente Wintermute e HAL9000
Esse post foi publicado em Livros, resenhas e marcado , . Guardar link permanente.

23 respostas para Paradigmas 3

  1. Ila Fox disse:

    Aeeee vida nova ao novo blog! 😀

  2. O conto do Lucio é excelente, Gi, mas é uma inner joke – algumas nuances ali são só para iniciados. ;-D

  3. Giseli Ramos disse:

    Obrigada pelas boas-vindas Ila =)
    E Fábio, além da história do mosteiro, me deve essa também! =P Até imagino exatamente qual seja, mas mesmo assim, não saquei o final rs.

  4. Jorge disse:

    Casa nova e mais espaçosa, tá bonito ! :))

    Beijos

  5. Ludimila disse:

    Que bom que você gostou do meu conto, CyberGi!

    Parabéns pela casa nova. Pretendo acompanhar mais os pensamentos da IA biológica agora.

  6. Lúcio disse:

    Oi, Gi!

    Parabéns pelo novo blog, bem bacaninha. Sobre o final do conto, a idéia que eu quis passar é que o crítico acabou aprisionado no mundo criado pelo artista (um mundo construído com os clichês que ele extraiu da obra do próprio crítico).

    Bjs

  7. Eric Novello disse:

    Esse povo que tem domínio próprio é tão chique 😀 Beijos!!

  8. Bela resenha, bastante direta! Mas creio que faltou falar um pouco mais sobre alguns contos. Não me refiro ao meu, claro, afinal ganhei várias linhas nessa resenha, rs!

  9. Giseli Ramos disse:

    Mila,
    Merci pela visita. Sim, sei que devia ter desenvolvido mais, mas é que às vezes me faltam palavras mesmo para descrever um conto (não é indicativo de ser bom ou ruim) e eu simplesmente falo o que vier à cabeça =)
    Mas vou tentar caprichar nas próximas ^^

  10. André Sanches disse:

    Oi Gi!
    Muito bacana o novo blog, e a questão do domínio próprio eu nem vou comentar… Gente fina é outra coisa 😀

  11. Pingback: Todas as Guerras « CyberGi

  12. Romeu Martins disse:

    Uma hora você se anima a resenhar a coleção Paradigmas inteira, né?

    Beijão

  13. Wolmyr Alcantara disse:

    Olá, Giseli! Obrigado por comentar meu conto! Também já li todos os textos dessa edição, todos bem legais. Parabéns aos autores e aos editores. Abraços, Wolmyr.

  14. Pingback: CyberGi » Lista de leituras de 2009

  15. Pingback: Retrospectiva Crítica – Antologias, Coletâneas e Ebooks (2) « Ficção Científica e Afins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s