Vírus influenza A em apenas 3,2 kbytes

Eu acho bacana mesmo quando o pessoal usa conceitos de computação para explicar biologia! 😀 Vi esse post interessante sobre o vírus H1N1 sob a óptica de um computeiro. O cara se deu ao trabalho de ler um artigo da Nature e dissecou o vírus usando analogias de computação. Em termos computacionais, o vírus pode ser representado por até 26 mil bits de dados brutos. É pouca coisa, equivale a uns 3,2 kbytes apenas.

Pode ser novidade ou não para vocês, mas eu achei interessante saber que existem empresas que fazem síntese de DNA por encomenda. Tipo, o Mr. Gene. Claro que eles têm uns mecanismos de verificação para não aceitarem sequências que dêem origem a coisas perigosas.

Outra coisa que descobri: é possível ver as sequências mapeadas do vírus no banco de dados do NCBI (National Center for Biotechnology Information). Interessante, será que no futuro teremos banco de dados com acesso livre a sequências de tudo quanto é ser vivo na natureza? Pelo menos já tem na net a do Homo Sapiens. Bem que alguém podia se dar ao trabalho de revisar o código fonte humano…

Recomendo a leitura do post (é um pouco grande), vale a pena! Mesmo que não possa ser 100% acurado (como na parte de que seria suficiente mudar 2 bits para criar uma variante letal do vírus – nada garante que uma pequena mudança não vá afetar todo o mecanismo do vírus), ainda assim é worth reading.

Meu respeito por esses 3,2 kbytes de dados aumentou…

Veja mais:
DNA seen through the eyes of a coder

Fonte:
Science Slashdot

Anúncios

Sobre giseli

Eu: Engenheira, sedenta por bits e chocólatra assumida. Além de ser fã de IAs, principalmente Wintermute e HAL9000
Esse post foi publicado em bioinformática e marcado . Guardar link permanente.

14 respostas para Vírus influenza A em apenas 3,2 kbytes

  1. Eric Novello disse:

    Quase tive saudades dos meus tempos de biotecnólogo e bioquímico rs. Bjss!

    Seu site ta muito sério ^^

  2. Jorge disse:

    Adorei mais este post, Srta GiBorg !

  3. André T. disse:

    Saiu no slashdot ontem, né? 🙂

  4. André T. disse:

    @Giseli Ramos
    Verdade, só tinha visto isso depois que postei o comentário 🙂

  5. Cris Lasaitis disse:

    No laboratório de biomol toda semana pedíamos sequências de RNA para os laboratórios. A gente isolava a sequência das proteínas de interesse e pedia o antisense.

    Pensando bem, não tenho saudade nenhuma.

  6. Geraldo Falci disse:

    Pensando bem… a morte não precisa mais que 5bytes para existir num sistema computacional.

    Faça o experimento! crie uma aquivo de texto com a palavra morte para vc ver. 😛

    • Giseli Ramos disse:

      É verdade, Geraldo. Isso num arquivo txt. Agora, o código fonte de um programa em C++ que escreva essa palavra não precisa nem de 100 bytes, mas é verdade que o executável dá uns 6 kb (acabei de fazer o teste aqui hehe).
      Fico pensando como seria em assembler, mas já não lembro mais =/

  7. Geraldo Falci disse:

    @Giseli Ramos

    Não reclama, nem C++ eu lembro. Que dirá Assembly!

    Isso que dá só trabalhar com JAVA.

  8. André T. disse:

    @Geraldo Falci
    Em python:

    print ‘morte’

    😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s