Uma saga marciana

Lobate Debris Apron in Deuteronilus Mensae

Lobate Debris Apron in Deuteronilus Mensae

Fonte: HiRISE

Marte é um belo e misterioso planeta que nos fascina desde a Antiguidade… Para provar esse ponto, só olhando a quantidade de missões enviadas ao planeta vermelho e ao fato de que Marte é fotografado pela melhor câmera digital do Sistema Solar 😀

Terminei há um tempo de ler a fantástica trilogia sobre Marte, do Kim Stanley Robinson, que é composta dos seguintes livros: Red Mars, Green Mars e Blue Mars. Infelizmente sem tradução para português e como o Fábio Fernandes disse, como as editoras brasileiras demoram muito (ou nunca) para traduzir várias obras importantes (não apenas de ficção científica, como de outros gêneros), teremos que ler no original para nos mantermos em dia 😦

Na minha opinião, acho que foi a trama mais hard sci-fi que já vi sobre terraformação marciana. A saga começa com Red Mars, em 2026, com o envio dos primeiros 100 colonizadores para o planeta e uma breve descrição da sociedade naquele momento, que diga-se de passagem, é um futuro bem plausível, dominado pelas corporações e alianças com governos. Afinal, quantas decisões governamentais mundiais hoje em dia são influenciadas por causa de corporações? E o primeiro volume termina em 2062, com uma revolução, para se tornar independente da Terra.

Green Mars se passa depois da revolução (que fracassou) e mostra tanto Marte e Terra em situações difíceis e a luta entre vários grupos com pontos de vista diferentes sobre a modificação de Marte.

E a trilogia se encerra com Blue Mars que mostra a consolidação de Marte, já bastante alterado pela terraformação, como um planeta com seu próprio governo e sua sociedade. O último volume foi o mais fraco dos três, o autor ainda deu uma enrolada desnecessária em algumas partes e não curti muito o final, parece que perdeu um pouco de fôlego. Mas isso não tira o mérito da trilogia, certamente vale a leitura!

O impressionante nessa trilogia é que Marte não é um mero coadjuvante, é um personagem em seu próprio direito, o que só torna as coisas bem interessantes. E nas descrições de deslocamentos pela superfície marciana, o autor não economiza nas palavras para contar como foi o trajeto, rodeado de majestosas paisagens, sem contar as dificuldades. E há mapas nos três livros, para se situar.

Eu situaria essa trilogia como um dos must read de obras de ficção científica. Apesar de ser bem hard sci-fi, não significa necessariamente que o autor usou corretamente argumentos científicos, algumas coisas da terraformação descritas nos livros forçaram muito a barra, mas afinal, é ficção científica e não afeta muito a suspensão de realidade, pelo menos. E agradeço ao Ivo, que gentilmente me emprestou essas obras 😀

Finalizando, sugiro, para imersão de realidade marciana, navegar no Google Mars e no site da HiRISE.

Anúncios

Sobre giseli

Eu: Engenheira, sedenta por bits e chocólatra assumida. Além de ser fã de IAs, principalmente Wintermute e HAL9000
Esse post foi publicado em Astronomia, Livros, resenhas e marcado , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Uma saga marciana

  1. Pingback: Tweets that mention CyberGi » Uma saga marciana -- Topsy.com

  2. Jorge disse:

    Ótima resenha, CyberGi ! Espero que venham mais no futuro !

  3. Danilo disse:

    Muito boa a resenha Gi! Fiquei bem curioso com o livro!

  4. Giseli Ramos disse:

    Valeu @Jorge e @Danilo ! Esses livros mereciam ser traduzidos para pt-br… let’s see 🙂

  5. Paulo Elache disse:

    Gostei da resenha, Gisele.

    Felizmente consegui todos os livros RGB… parece até canhão tricromático :-)… Estão em minha PLL que não para de aumentar, quase tombando.
    Pretendo conseguir também o último, se não me engano, “The Martians”.

    Talvez, com minha empreitada no mundo dos podcasts, eu acabe lendo muito antes do que eu esperava.

    P.S.: Gisele, gostaria de conversar contigo sobre resenhas. Você poderia entrar em contato no email podespecular@gmail.com (ou no meu particular, em seu cadastro)?

    Abraço,
    Paulo Elache
    podespecular.com.br

    • Giseli Ramos disse:

      Paulo, verdade… abreviados, parece mesmo a paleta de cores RGB! Hehe Bom, antes ter uma fila de leituras que nenhuma, não é? Antes eu me angustiava com a falta de livros para ler, mas acho que reclamei tanto que agora tenho uma boa PLL também, deve ser castigo por ter reclamado tanto. Obrigada pela visita e te mandei email no particular, ok? 🙂

  6. Gi, isso me lembrou um conto no lívro Crônicas de Taikodom, onde a terraformação marciana tem contornos “épicos”.

    bj

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s